Porque estamos protegidos dos raios quando estamos dentro de um carro? Entenda.

Raios são mais comuns em locais de clima tropical. Portanto, dada a extensão territorial do Brasil, o nosso país é o campeão mundial na incidência de raios por ano. Acredite! É recorrente, no início de cada ano, e durante o verão, que boa parte do Brasil sofra com muitas chuvas, raios e trovões. E olha que esse “pacotão” da natureza voltou com tudo neste início de 2019.

E quando dirigimos durante uma forte chuva e embaixo de raios? Dúvidas e pânicos surgem? Medo, nervoso, preocupação são sintomas comuns em uma situação como essa, um desafio até para o mais experiente dos motoristas. Sabemos que as vezes pode ser difícil evitar uma tempestade. Mas, afinal, você sabe se o automóvel é um abrigo seguro contra raios?

É muito interessante a relação entre a eletricidade externa e o seu carro. É raro um raio atingir um carro, mas pode acontecer. Em um determinado momento, você estiver dirigindo tranquilamente em uma estrada muito aberta e seu veículo servir como receptor para uma enorme descarga elétrica. Alguns acreditam erroneamente que os pneus do carro agem como isolantes. É impossível apenas um pouco de borracha dar conta de uma colossal descarga elétrica! Pense bem: um raio viaja vários quilômetros PELO AR. Não faz sentido que alguns centímetros de borracha apresentem resistência elétrica maior do que km de espaço vazio. A verdade é que pneus e chinelos de borracha, por exemplo, e “nada” são a mesma coisa!

Mas, quando um raio acerta um carro com passageiros dentro, o que acontece?

Quando um carro é atingido por um raio, as cargas elétricas se espalham por sua superfície metálica externa sem ameaçar quem está dentro, afirmam especialistas de física da Universidade de SP.

O motivo é que o automóvel é blindado eletricamente. O carro, por sua estrutura de aço, funciona como uma “gaiola metálica”. Ou seja, a sua carcaça não deixa que o raio consiga penetrar nele. Toda a carga elétrica fica sobre a superfície metálica e não oferece perigo para o motorista e demais passageiros.

O motivo pelo qual as pessoas não sofrem os efeitos da descarga elétrica foi explicado e demonstrado há bastante tempo, pelo físico e químico inglês chamado Michael Faraday, na experiência chamada “gaiola de Faraday”. Faraday descobriu que em um condutor a carga elétrica fica na superfície. Em vários experimentos ele determinou que um objeto metálico oco teria carga zero em seu centro. Entenda que, um automóvel não é uma “gaiola de Faraday” ideal, há partes não-metálicas, partes metálicas conectadas ao interior, cabos, fios, mas com tudo isso as cargas ainda tendem a se concentrar no exterior. De qualquer forma, é extremamente importante evitar qualquer superfície metálica imediatamente após o raio.

Ficar com o pé para fora, encostada na carcaça do carro, também é perigoso. Perceba que o perigo acontece se ocorrer uma descarga elétrica exatamente nesse momento. O ideal é sempre ficar com as mãos para dentro do carro, assim como os pés e, preferencialmente, com a porta fechada.

Vale lembrar que, se estiver longe do carro no momento em que uma tempestade começar, a melhor e mais recomendada forma de se proteger é ficando agachado e com os pés juntos. Ficar com os pés e pernas muito afastados faz com que a passagem de corrente elétrica passe com mais facilidade pelo corpo.

Para finalizar, em caso de tempestades, você deve procurar abrigo imediatamente. Sim, pode ser em um carro, desde que ele não seja conversível e esteja completamente fechado! Ah, evite também ficar em campo aberto e próximo de árvores. #FicaaDica

#AutoPeçasMolina é informação! 😉